Nota de Pesar – José-Augusto França (1922-2021)

Nota de Pesar – José-Augusto França (1922-2021)

Nota de pesar: José-Augusto França (1922-2021)

A vida de José-Augusto França fundiu-se, em parte significativa, com a da Sociedade Nacional de Belas Artes.

Nasceu em 1922. Em 1945 publicou o romance Natureza Morta, crítico do racismo e colonialismo. Em 1947 integra o Grupo Surrealista de Lisboa, organizado por António Pedro, e
com a participação de Alexandre O'Neill, António Dacosta, Fernando de Azevedo, Moniz Pereira, Vespeira, Cesariny. Na sequência, entre 1951 e 1956, editou a revista Unicórnio,
seguida de Bicórnio, Tricórnio, Tetracórnio e Pentacórnio, com textos de Almada Negreiros, António Sérgio, Jorge de Sena, Eduardo Lourenço, entre outros.

Em 1946 fundou, com Guilherme Filipe, a associação JUBA, “Jardim Universitário Belas Artes,” círculo cultural que apresentava palestras, concertos e filmes comentados em textos de
ensaio, na SNBA e no cinema Tivoli. Dirigiu a Galeria de Março entre 1952 e 1954.  Em 1956, na SNBA, organizou a exposição “I Salão dos artistas de hoje.”

Em 1959, em França, é discípulo de Pierre Francastel, e licencia-se em Ciências Históricas e Filosóficas, tendo mais tarde completado dois doutoramentos, um em História (sobre a
reconstrução pombalina de Lisboa, 1962) e outro em Letras (sobre o romantismo português, 1969), na Sorbonne.

Dirigiu a Revista Colóquio/Artes entre 1970 e 1996.

No 25 de Abril regressa a Portugal, onde cria o primeiro curso de Mestrado em História de Arte, na Universidade Nova de Lisboa.

Publicou mais de 90 livros, entre os quais “Lisboa Pombalina e o Iluminismo,” “A Arte em Portugal no Século XIX,” “A Arte em Portugal no Século XX,” “História da Arte Ocidental, 1750-
2000” e “Lisboa, História Física e Moral,” “Lisboa: 7ª colina,” assim como as importantes monografias sobre “Amadeo de Souza-Cardoso” e “Almada Negreiros” e “Rafael Bordalo
Pinheiro: o português tal e qual.”

Foi presidente da Academia Nacional de Belas Artes, membro do Comité International d’Histoire de l’Art e presidente de honra da Association Internationale des Critiques d’Art.

José-Augusto França foi agraciado com a Ordem do Infante D. Henrique (1991) e a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (2006).

Era associado e amigo da SNBA, onde lecionou nos seus cursos de Formação Artística.

[na foto: José-Augusto França nos tempos do Grupo Surrealista de Lisboa, 1947: em cima à
direita, entre Cesariny e Vespeira, e em baixo António Pedro, Alexandre O’Neill, Moniz
Pereira.]

Partilhe
Share on facebook
Share on linkedin