Workshop

Azulejaria na Modernidade: 5 Artistas, 5 Olhares para o Universo do Azulejo

10 Jan 2023
31 Jan 2023
3ª feiras | 19h30 às 21h
Corpo Docente
Cláudia Matoos
Local
online

Sobre o Workshop

Certificado emitido pela SNBA

Datas:

  • Online – 10, 17, 24 e 31 de janeiro, 3ª feiras | 19h30 às 21h

Duração: 4 aulas de 90 minutos cada

Preço:

Sócios e Alunos da SNBA (sem valores em atraso): 40€

Não Sócios: 50€

 

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

O Azulejo, suas linguagens e expressões plásticas no contexto da Modernidade. Azulejos de autor e o desenvolvimento de um estilo próprio.

 

5 ARTISTAS  –  5 OLHARES

Estudo de 5 artistas, seus contextos, influências e o desenvolvimento de linguagens e expressões singulares, no universo do Azulejo. Processo criativo, composição e execução dos projetos em Azulejos. Obras de pequeno porte, grandes painéis e Azulejos em escala monumental. Arte privada e pública.

  • Jorge Barradas (1894-1971)
  • Cândido Portinari (1903-1962)
  • Maria Keil (1914-2012)
  • Athos Bulcão (1918-2008)
  • Querubim Lapa (1925-2016)

 

OBJETIVOS

  • Compreender o Azulejo como expressão artística na Modernidade;
  • Contribuir com o conhecimento do aluno, através de uma visão mais próxima da singularidade e do processo criativo de cada artista;
  • Compreender um projeto artístico em Azulejo, desde a conceção até a sua execução;
  • Levar o aluno a identificar e diferenciar algumas expressões plásticas dos Azulejos;
  • Destacar questões da criatividade, originalidade e influências nos Azulejos;
  • Identificar as especificidades nas expressões plásticas dos Azulejos;
  • Valorizar e reconhecer a importância do Azulejo como património artístico.

 

BIBLIOGRAFIA

Ajzenberg, Elza (2021). Portinari. Três momentos. São Paulo: EDUSP.

Alcântara, Dora Monteiro e Silva (1980). Azulejos portugueses em São Luís de Maranhão. Rio de Janeiro: Fontanna -Fundação Luis La Saigne.

Alcântara, Dora Monteiro e Silva (2000). O Azulejo, fator de integração cultural de continentes. Lisboa: Comissão Nacional para a Comemoração dos Descobrimentos Portugueses.

Balbi, Marília (2003) Portinari. São Paulo. Editora Boitempo.

Berardo, José; Ramos, Francisco; Leitão, Manuel; Pleguezuelo, Alfonso; Meco, José & Guerreiro, Hugo (2020). 800 anos de História do Azulejo. Museu Berardo Estremoz. [Catálogo]. Lisboa: Associação de Colecções.

Bulcão, Athos (2002) Athos Bulcão: construção e poesia. Brasília: Centro Cultural Banco do Brasil.

Calado, Rafael Salinas (1986). Azulejo: cinco séculos de Azulejo em Portugal. Lisboa: Correios e Telecomunicações de Portugal.

Castéra, Jean-Marc (2007). Arabesque. Art décorative au Maroc. Paris: ACR.

Fabris, Annateresa (2011). No ateliê de Portinari. 1920-45. São Paulo: MAM.

Fanning, Janis & Jones, Mike (2001). A Arte e o ofício do Azulejo. Lisboa: Ed. Estampa.

Borges, Maria Clara da Fonseca (2004). Querubim Lapa: cerâmica, identidade e imaginário.[Dissertação de mestrado em Teorias da Arte], Lisboa: Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. (Consult. 05-08-2020).

Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/6869

Guedes, Joana Motta (2012) Em torno da concepção e da recepção da arte pública: a representação no lugar. Dissertação de mestrado em Pintura] Lisboa: Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. (Consult. 03-07-2020). Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/7923

Henriques, Paulo (2012). Jorge Barradas no Museu Nogueira da Silva. Braga: Universidade do Minho.

Junqueira, Alice Malheiro (2022) A cerâmica de revestimento no contexto do design de ambientes e interiores: análise de aspetos qualificadores do espaço. [Dissertação de Mestrado em Design de Equipamento – especialização em Design Urbano e de Interiores].Lisboa:  Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. (Consult. 05-02-2022). Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/50999

Knoff, Udo (1986). Azulejos da Bahia. Rio de Janeiro: Livraria Kosmos Ed.; Salvador: Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Lapa, Paula; Albuquerque, Ana de (coord.) (2001) Cerâmicas. Querubim Lapa. Colecção História da Arte. Lisboa: Edições Inapa.

Leitão, Inês Alexandra F. P. da S. (2016) A arte pública e a construção do lugar. A presença do azulejo (1970-2013). [Dissertação de Mestrado em Arte, Património e Teoria do Restauro]. Lisboa: Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras. (Consult. 01-04-2020). Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/25937

Meco, José (1985). Azulejaria portuguesa. Lisboa: Bertrand Editora.

Meco, José (1993). O Azulejo em Portugal. Lisboa: Publicações Alfa.

Morais, Frederico (1988-1990) Azulejaria contemporânea no Brasil. São Paulo: Editoração Publicações e Comunicações, 2v.

Oliveira, Adriana Anselmo de (2016). Jorge Barradas e seus caprichos: conservação e restauro de um painel. [Dissertação de mestrado, Ciências da Conservação, Restauro e Produção de Arte Contemporânea] Lisboa: Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes. Disponível em: http://hdl.handle.net/10451/29162  (Consult. 02-10-2020)

Pedrosa, Adriano; Moura, Rodrigo; Araújo, Olívio de T.; Fabris, Annateresa; Frota, Lélia Coelho; Miceli, Sérgio; Bechelany, Camila; Pedrosa, Mário; Andrade, Mário de; Portinari, Candido. Portinari Popular. São Paulo: MASP.

Pleguezuelo, Alfonso (1989). Azulejos sevillanos. Sevilla: Padilla.

Pleguezuelo, Alfonso; Coll, Jaume; Pereira, João Castelo Branco; Carswell, John; Molera; Judit & Pradell; Trinitat (2013). O Brilho das Cidades. A Rota do Azulejo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Riley, Nöel (2004). A Arte do Azulejo. A História. As técnicas. Os artistas. Lisboa: Editorial Estampa.

Rodrigues, António (1995). Jorge Barradas. Coleção arte e artista. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda.

Sabino, Isabel (2015). ‘Maria Keil: traços discretos para um espaço público’. Estúdio. vol. 6, nº11 (Jan./Jun. 2015), p. 182-191. Lisboa: Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, CIEBA. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/20036 (Consult. 04/01/2022).

Santos, Reinaldo dos (1975). A Azulejo em Portugal. Lisboa: Sul.

Simões, João Miguel dos Santos (1990). Azulejaria em Portugal – sécs. XV-XVI. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Simões, J. M. Santo João Miguel dos Santos & Oliveira, Emílio Guerra de (1997). Azulejaria em Portugal no século XVII. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2 vols.

Simões. João Miguel dos Santos (1965). Azulejaria portuguesa no Brasil 1500-1882. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Tojal, Alexandre A.; Almeida, Rui Manuel (coord.) (2013). Maria Keil. De propósito, obra artística. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda.

 

FORMADORA

Cláudia Matos Pereira – [Cláudia Matoos – nome artístico] Artista plástica. Doutora em Artes Visuais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ (2015). Investigadora do Centro de Investigação e Estudos em Belas-Artes da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa – CIEBA (desde 2016). Bolseira pela CAPES (2012-2015). Professora Convidada da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (2013-2016), onde lecionou Desenho de Modelo Vivo, Desenho do Património e no Mestrado de Museologia e Museografia. No Brasil foi professora na Universidade Presidente Antônio Carlos – UNIPAC (2004-2010), e professora de Artes nos 2º e 3º Ciclos (1995-2013). Mestre em Ciência da Religião pela Universidade Federal de Juiz de Fora – UFJF, com dissertação sobre Schiller e a Arte (2007).

Exposições individuais e participação em exposições coletivas em Amsterdão, Berlin, Itália, Suíça, Áustria, Espanha, Portugal, Estados Unidos, Argélia, Marrocos, Austrália e Brasil. Participou da 4ª Bienal Internacional de Arte Gaia 2021, Portugal.

Curadora da exposição “Mirar – Imaginar – Vestir” (com as artistas Elaine Almeida, Michele Dias e Dani Remião, no Museu Nacional do Traje, de 26 de novembro de 2022 a 08 de março de 2023, Portugal.

Curadora e artista plástica com obras expostas, em permanência, no Centro de Interpretação da Lota de Sagres, Portugal, desde 2021.

Residência artística e exposição no MAMA, Musée Public National d’Art Moderne et Contemporain d’Alger (2015), onde desenvolveu um projeto artístico sobre Azulejos e património da Argélia. As obras: pintura, instalação e vídeo fazem parte do acervo do museu.

Imersão em oficinas e ateliês de Azulejos na cidade de Rabat, Marrocos (2016-2020).

Exposição individual em desenho, dedicada ao Azulejo: “Diálogo entre os Azulejos Marroquinos e Portugueses” na Embaixada de Portugal em Rabat (2018).

Contínua atividade artística e de investigação na área das artes, com organização e participação em congressos, publicação de artigos em revistas científicas e livros.

 

Mais Workshops

14 Out 2022 -
 25 Nov 2022
24 Out 2022 -
 04 Nov 2022
Faça a sua pré-inscrição.